Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BUÉ LIVROS

Este blogue pretende dar a conhecer “leituras” realizadas por alunos do AEMD. Está associado ao projeto "Cartão de Fidelidade" da Biblioteca Escolar que atribui pontos por cada opinião sobre livros lidos.

BUÉ LIVROS

Este blogue pretende dar a conhecer “leituras” realizadas por alunos do AEMD. Está associado ao projeto "Cartão de Fidelidade" da Biblioteca Escolar que atribui pontos por cada opinião sobre livros lidos.

28.Jan.18

A máquina do tempo, H.G.Wells

a máquina do tempo.jpga máquina do tempo.jpg2.jpg

 

Autor: H.G.Wells

Título: A máquina do tempo

Editora: Público

Data de edição: 2004

Data de publicação original: 1895

Número de páginas: 126

Nota: A Máquina do Tempo (1895) é uma das primeiras fantasias científicas de H. G. Wells e um clássico do género, a par de A Ilha do Dr. Moreau (1896), O Homem Invisível (1897) e A Guerra dos Mundos (1898).  

Assunto/Sinopse

Em pleno século XIX, um cientista inglês apresentado como o "Viajante do Tempo" constrói uma máquina capaz de viajar até ao futuro. Ao testá-la, é transportado para o ano de 802-701, completamente desconhecido para o cientista. Este novo mundo é habitado por duas espécies distintas: os Elois, pacíficos e dóceis, que aparentemente vivem uma vida sem preocupações, e os Morlock, criaturas subterrâneas que acabam por se revelar predadores dos Elois. O viajante pensa estudar estas criaturas fascinantes e depois regressar ao seu tempo, quando descobre que a sua invenção havia sido roubada.

Apreciação crítica/Impressões de leitura

Confesso que iniciei esta leitura com bastantes expetativas, mas infelizmente este livro foi para mim uma completa desilusão! É um livro com poucas páginas que, pensava eu, não tardaria a acabar, no entanto demorei bem mais do que aquilo que esperava. Acho que tal se deveu ao facto de a história ter sido, para mim, previsível e pouvo inovadora, dado que o conceito de "viagem no tempo" já foi explorado de todas as formas possíveis! Não gostei das personagens nem da narrativa (feita na 1ª pessoa e por duas personagens), muito superficial, sem grandes explicações.

O único aspeto positivo do livro é, sem dúvida, o modo como o futuro nos é apresentado, a que se deveu o grande sucesso do livro, publicado no século XIX e considerado o primeiro romance de ficção científica a abordar o tema da viagem no tempo, o que despertou a curiosidade das pessoas da sua época. 

Em geral, não gostei, mas apenas porque o li na época errada!

 

Oceana Fernandes, 9A-S

Data de leitura: janeiro 2018

28.Jan.18

Estás tramado Coelho!, Joe Carrot

Estás tramado coelho.jpg

 

Autor: Joe Carrot

Título: Estás tramado Coelho!

Editora: Porto Editora

Data de publicação: 2011

Número de páginas: 228

 

 Assunto/Sinopse

Larry Diamante é o novo detetive de Coelhópolis, capaz de resolver qualquer caso. Vai acusar Joe Carrot de ter roubado uma preciosa pulseira de diamantes da Laura. Felizmente, Joe não vai preso, porque o seu amigo Peter grava uma conversa em que Larry é incriminado.

Apreciação crítica/Impressões de leitura

Adorei ler este livro, porque é empolgante e muito imaginativo! Gostei da parte em que Carrot tenta encontrar Palmina e Jane e não gostei da parte em que Joe Carrot quase fica falido por causa do Larry Diamante. Foi um dos livros de que mais gostei! Aconselho!

 

Carolina Martins, 7A - S

Data de leitura: novembro 2017

28.Jan.18

Pedro Alecrim, António Mota

pedro-alecrim.jpg

 

Autor: António Mota

Título: Pedro Alecrim

Editora: Gailivro

Data de publicação: 2006

Número de páginas: 131

 

 Assunto/Sinopse

Numa aldeia chamada Pragal, vivia um rapaz chamado Pedro que, com os seus pais, criava gado. Pedro tinha um irmão gago, mas muito meigo e curioso, e uma irmã. Pedro começou a trabalhar mais cedo do que o esperado...

Apreciação crítica/Impressões de leitura

Gostei muito deste livro, porque nos apresenta um passado que se enquadra na realidade dos nossos pais e avós. Muitos não aprenderam a ler e a escrever porque não tinham possibilidades financeiras e tiveram de começar a trabalhar muito cedo para ganhar algum dinheiro. Achei este livro entusiasmante!

João Besteiro Domingues,  5B

Data de leitura: janeiro de 2018

 

 

 Assunto/Sinopse

Este livro é constituído por 23 capítulos e conta a história de Pedro, um menino que andava no 6ºano. Esta história é muito antiga, no tempo em que os meninos tinham de ajudar os pais nos campos e que tinham de abandonar a escola para irem trabalhar e a ajudar a sustentar a família.  Quem conta esta história é o Pedro que mora no Pragal e que tem muitos amigos: o Nicolau, o Luís, a Rita, o Martinho e a Joana.

Apreciação crítica/Impressões de leitura

A passagem de que eu mais gostei foi quando o Pedro contou um episódio que se passara entre a mãe e o pai: uma vez o pai exaltou-se com a mãe e esta, para não discutir saiu de casa. Como ela demorava muito em aparecer, eles foram procurá-la, mas não a encontraram em lado nenhum, por isso voltaram para casa e quando chegaram viram que a mãe já lá estava e aí descobriram onde ela tinha estado…

   A minha personagem preferida é o Nicolau, porque ele era o melhor amigo de Pedro e fazia de Pedro seu confidente. A prova disso foi quando o Nicolau lhe escreveu uma carta em guardanapos a contar o que lhe tinha acontecido.

    Fiquei um pouco confuso com a carta que o Luís escreveu ao Pedro, pois a carta estava escrita numa linguagem cifrada sendo difícil de entender na primeira leitura, por exemplo:”Olávef, Pedrovof!”.

    Gostei muito desta história porque me permitiu saber como algumas as crianças viviam antigamente.

 João Rodrigues,  6A

Data de leitura: dezembro de 2017

 

 

28.Jan.18

O Primo Basílio, Eça de Queirós

o primo basílio.jpgo primo basílio2.jpg

 

Autor: Eça de Queirós

Título: O Primo Basílio

Editora: Livros do Brasil

Data de publicação (original): 1878

Número de páginas: 457

 

 Assunto/Sinopse

Jorge e Luísa são o típico casal burguês da classe média lisboeta de finais do século XIX. Um casal cujo equilíbrio fica em risco com a partida de Jorge para o Alentejo onde permanece várias semanas. Entretanto, Luísa, aborrecida e sozinha em casa, recebe a visita do seu primo Basílio, com o qual outrora havia tido um caso amoroso. Estas visitas começam a ser frequentes e, seduzida por Basílio, Luísa acaba por cair em adultério numa história de chantagem, imoralidade e tragédia.

Apreciação crítica/Impressões de leitura

Uma obra fantástica que me surpreendeu bastante pela positiva. Por ser o primeiro livro que leio do escritor, para além dos Contos, pensei que seria mais monótono e de difícil compreensão, mas foi para mim uma leitura fluída e divertida, escrita com bastantes detalhes e descrições, que foram capazes de me fazer viver a história à medida que é narrada. Outro aspeto de que também gostei bastante foram as personagens do livro, cada qual com a sua personalidade e todas diferentes, desde a mais simplles à mais excêntrica, da mais honesta à mais cruel e mesquinha, todos tornaram esta leitura mais envolvente e cativante. Outro aspeto positivo são as críticas tecidas ao longo da obra às várias personagens, cheias de ironia e humor. Uma incrível leitura, já que Eça de Queirós foi capaz de transformar um romance cliché numa história espantosa que retrata na perfeição a sociedade da época.

Citação preferida

"É que o amor é essencialmente perecível e na hora em que nasce começa a morrer."

 

Oceana Fernandes,  9A-S   

Data de leitura: janeiro de 2018

28.Jan.18

8 horas: Na escola de queijo, Geronimo Stilton

Autor: 8-Horas-na-Escola-de-Queijo.jpgGeronimo Stilton

Título: 8 horas: Na escola de queijo

Editora: Presença

Data de publicação: 2013

Número de páginas: 117

 

 Assunto/Sinopse

Ia ser um dia muito especial para Geronimo: ele tinha sido convidado para ir à escola do seu sobrinho Benjamim falar da sua profissão de escritor...

Apreciação crítica/Impressões de leitura

Ao ler o título deste livro, pensei em muitas maneiras de como poderia ser esta história! Nesta aventura, Geronimo faz o oposto do que faz nos outros livros: em vez de fazer má figura, vai ser um herói!

 

Tiago Falcão,  6B   

Data de leitura: dezembro de 2017

 

 

28.Jan.18

Um minuto para a meia noite, Joe Carrot

um minuto para a meia noite.JPG

 

Autor: Joe Carrot

Editora: Porto Editora

Data de publicação: 2010

Número de páginas: 119

 

 Assunto/Sinopse

O detetive Joe Carrot está no seu escritório e entra um casal, o senhor Rufo MacRábano e a senhora Rubina, que estava muito triste e a chorar (ela chora por qualquer motivo!!). Eles vivem no Vale dos Arrepios, onde cultivam legumes e vegetais que são os melhores de Coelhópolis. O motivo pelo qual queriam falar com o detetive era porque no Vale dos Arrepios, ao faltar um minuto para a meia-noite, começam a acontecer coisas estranhas:  ouvem-se barulhos, vandalizam a horta, deixam a água a correr... A senhora Rubina afirma que viu a Bruxa Rapina, mas o detetive não acredita em bruxas. Joe Carrot investiga o caso e descobre que, afinal, a bruxa não é verdadeira e voa graças à hélice de um pequeno motor telecomandado. Acaba por descobrir que quem está por trás de tudo é Hector O'Hare, o mais rico do Vale dos Arrepios, só porque queria que o senhor Rufo lhe vendesse a sua horta!

Apreciação crítica/Impressões de leitura

Adorei este livro pois tem muito suspense e muita aventura. A parte de que mais gostei foi a parte em que Joe Carrot descobre que a bruxa Rapina não é verdadeira, mas não houve nada de que não tivesse gostado. Adorei o livro e recomendo-o a todos os meus colegas!

um minuto para a meia noite2.JPG

Carolina Martins,  7A - S     

Data de leitura: janeiro de 2018

 

 

 

28.Jan.18

Diário de uma Totó 10, Rachel Russell

 Diário de uma totó 10.jpg

Autor: Rachel Russel

Editora: Gailivro

Número de páginas: 291

 

Assunto/Sinopse

Neste Diário, Niki e Brandon encontram à porta dos "Amigos Felpudos" uma cadela com filhinhos que já não têm espaço na associação! Então, com os amigos, resolvem tratar deles durante uma semana, e não vai ser fácil separarem-se!

 

Apreciação crítica/Impressões de leitura

A personagem de que mais gostei foi a Briana, irmã da Niki, porque conseguiu manter segredo quanto à decisão de tomarem conta dos cães. Pelo contrário, a mãe da Niki não aceitou ter os cães em casa, por isso a Niki foi obrigada a escondê-los. Para mim, a decisão dos amigos em tomarem conta dos cachorros foi a mais acertada, foi uma atitude muito bonita.

 

Ana Costa, 7A - S   

Data de leitura: novembro 2017 

27.Jan.18

O rapaz do pijama às riscas, John Boyne

AutorO_Rapaz_Pijama_Riscas_PNL.jpg : John Boyne

Editora: ASA

Páginas: 175

Assunto/Sinopse

Este livro conta a história de Bruno, uma criança de nove anos, que vive uma vida confortável com a família e os amigos na Alemanha. No entanto, no eclodir da 2ª Guerra Mundial, o pai é promovido a comandante das tropas nazis, e Bruno é obrigado a mudar-se para Auschwitz, na Polónia (sítio a que ele se refere como "Acho-Vil"). Bruno sente-se triste e aborrecido com a mudança, não só pela casa ser mais pequena, mas principalmente devido à ausência de crianças com quem ele possa brincar. Perante esta situação, e na tentativa de se divertir um pouco, Bruno decide explorar o território e rapidamente encontra um campo de concentração, que ele acreditava tratar-se de uma quinta.

Assim que encontra o campo, depara-se com um menino judeu da sua idade, Shmuel, de quem ele se torna amigo. Bruno não entende a razão da rede que o separa do seu único amigo e de outras milhares de pessoas com quem ele poderia brincar e, mesmo tendo sido proibido de se aproximar da vedação, a amizade dos dois cresce cada vez mais. Uma amizade imprevisível, que se vai tornar trágica...

 

Apreciação crítica/Impressões de leitura

Gostei bastante de fazer esta leitura, proncipalmente por nos dar uma diferente perspetiva de uma das épocas mais sombrias da história, a Segunda Guerra Mundial.

O protagonista é Bruno, uma criança de nove anos, e os factos são apresentados do seu ponto de vista e encarados com bastante inocência e pureza. Desde o engano ao pronunciar certas pelavras (como "Fúria", em vez de Führer, como "Acho-Vil" em vez de Auschwitz) à sua maneira única de encarar a realidade. 

É um livro que mostra que nenhuma criança nasce racista ou cruel. Elas não julgam pela cor ou religião e nunca perdem a oportunidade de fazer um amigo.

A escrita é bastante simples e fluída, contudo a história é um pouco sperficial e nada é realmente explorado a fundo, deixando a reflexão e descoberta a cargo do leitor. Não deixa de ser uma história comovente que assenta nos valores da igualdade e da amizade.

Oceana Fernandes, 9ºA-S

Data de leitura: janeiro 2018

 

Assunto/Sinopse

Este livro conta a história de Bruno, um menino de nove anos, filho de um comandante nazi, que, devido à promoção do pai, tem de se mudar para “Acho-Vil” com a sua família. Bruno sente-se só e aborrecido na nova casa, porque esta é mais pequena do que a de Berlim e não há meninos com quem ele possa brincar. Um dia, decide fazer uma “exploração” ao longo da vedação, e depara-se com um rapaz do outro lado dela. Shmuel é um judeu polaco da idade de Bruno, que fora enviado para o campo de concentração de Auschwitz. Bruno desconhece a terrível realidade do Holocausto, e estranha o facto de ali existir uma rede que divide o lado deserto onde ele vive do sítio cheio de pessoas que existe do outro lado, com muitas crianças com as quais ele poderia brincar e onde vive o seu único amigo. A sua amizade com Shmuel cresce, e todos os dias os dois se encontram, um de cada lado da vedação, formando um par impensável: um alemão e um judeu numa relação pacífica em plena 2ª Guerra Mundial. Uma relação que vai mostrar a Bruno o que realmente está a acontecer e que o envolverá nesse horrível fenómeno de genocídio.

Apreciação crítica/Impressões de leitura

Gostei bastante deste livro, principalmente pela simplicidade e leveza com que retrata um dos períodos mais sombrios da História. É um livro que nos faz ficar indignados com a extremista e racista mentalidade nazi e nos faz acreditar que mesmo em tempos difíceis é possível criar uma amizade. É interessante, porque a história é contada do ponto de vista de uma criança inocente que ignora os perigos inerentes à sua amizade em prol dela, opondo-se aos princípios fascistas e mostrando que na verdade as crianças são semelhantes, quer de uma religião ou de outra, aumentando a indignação do leitor, pois impedir uma amizade por uma questão política não faz, realmente, sentido. Um livro sobre a inocência em tempos de terror e o valor da amizade, que considero uma boa iniciação ao tema da 2ª Guerra Mundial.

Helena Rodrigues, 9ºB

 

05.Jan.18

O Alienista, Machado de Assis

O alienista.jpg

 

Autor: Machado de Assis

Editora: Porto Editora

Data de publicação: 2014

Modo literário: Narrativo

Número de páginas: 108

 

 Assunto/Sinopse

Dr. Simão Bacamarte, médico e homem da ciência, decide enveredar pelo campo da psiquiatria e inicia um estudo sobre a loucura e os seus graus, classificando-os. Para aprofundar os seus estudos, o cientista regressa a Itaguí e convence os seus habitantes a fundar um hospício, a Casa Verde. Depressa a instituição fica repleta de loucos e lunáticos de todos os tipos, até existirem mais loucos do que sãos na sociedade.

Apreciação crítica/Impressões de leitura

Esta é uma história escrita numa época em que a ciência e aqueles que a dominavam não deviam ser questionados, numa época em que tudo o que estava relacionado com a ciência era benéfico e contribuía para o desenvolvimento da humanidade.

Este conto de Machado de Assis, publicado em 1881, tem como assunto principal a loucura e critica principalmente a ciência da época, mas também o egoísmo, a injustiça e o orgulho exagerado. Uma narrativa curta, recheada de sarcasmo e ironia, humor e comicidade, de que são exemplo as razões pelas quais Simão Bacamarte interna os habitantes, chegando a internar a própria mulher por esta ficar indecisa sobre qual vestido usar. É uma obra com um final surpreendente em que nos questionamos: mas quem, afinal, eram os loucos?

Oceana Fernandes,  9A - S     

05.Jan.18

O Velho e o Mar, Ernest Hemingway

o velho e o mar.jpg

 

Autor: Ernest Hemingway

Modo literário: Narrativo

Género literário: Ficção

 

 Assunto/Sinopse

Santiago, um velho pescador cubano, está há quase 3 meses sem conseguir pescar um único peixe. Até que o seu isco é finalmente mordido por um enorme espadarte. O peixe imponente resiste, arrasta a sua canoa cada vez mais para o alto mar na corrente do Golfo e obriga a uma luta agonizante de 3 dias que o velho Santiago acabará por vencer para logo se ver derrotado.

Apreciação crítica/Impressões de leitura

Este livro relata a aventura de Santiago que no octagésimo quinto dia sem pescar absolutamente nada decide explorar uma nova área do mar. Completamente sozinho, visto que Santiago perdeu o seu ajudante e amigo, devido ao fracasso do velho, este entra numa luta contra um enorme peixe que mordeu o seu isco, O pescador sabe que precisa de ser corajoso para enfrentar os seus adversários: não só o peixe, como também o sol, o mar, a solidão, a fome e a dor que se manifesta regularmente devido à sua avançada idade. O livro realça também a relação de Santiago com a Natureza, demonstrando a sua enorme sensibilidade para com os animais. Apesar de se tratar de um questão de sobrevivência, o pescador lamenta várias vezes que tenha de matar o espadarte, chegando a chamá-lo de irmão.

Gostei bastante deste livro, pois, com uma linguagem simples, demonstra a constante luta entre o homem e a Natureza, destacando não só a importância da coragem e persistência, como também o respeito pela Natureza.

 

Data de leitura: dezembro de 2017

Oceana Fernandes,  9A - S     

Pág. 1/2