Este blogue pretende dar a conhecer “leituras” realizadas por alunos do AEMD. Está associado ao projeto "Cartão de Fidelidade" da Biblioteca Escolar que atribui pontos por cada opinião sobre livros lidos.

18
Out 11

Autor (pseudónimo/nome: Eugénio de Andrade/José Fontinhas

Editora: LIMIAR

Edição:

Local: Porto 

Data de Publicação: Outubro 1985

Modo literário: Lírico

Género literário: Poesia

 

Comentário:

       O que mais me impressionou no contexto da obra foi o “Poema à Mãe”, porque o considero interessante, pois relata a transição da meninice para a adolescência, transcrita nas seguintes passagens, “Mas tu esqueceste muita coisa / Esqueceste que as minhas pernas cresceram, / Que todo o meu corpo cresceu / E até o meu coração / Ficou enorme, mãe!". Por vezes essa transição é conflituosa criando atritos no relacionamento entre mãe e filho/a, implícitos no poema através das passagens: "Por isso, às vezes as palavras que te digo / São duras, mãe, / E o nosso amor é infeliz.". O crescimento de um adolescente implica transformações físicas e psicológicas, vividas, de modo mais ou menos consciente, pelo próprio e observadas com interesse pelos adultos, sobretudo por aqueles que lhe estão mais próximos (a família). Muitas vezes, surgem dúvidas, conflitos e uma adaptação contínua às novas realidades.

      Contudo, aos olhos das nossas mães nós seremos eternamente os seus meninos puros, que necessitarão sempre da sua protecção.

A passagem à adolescência é bem retratada neste poema de Eugénio de Andrade e com o qual me identifico, pois relembra-me algumas modificações que eu tenho vivido, bem como mudanças nas relações com os meus familiares mais queridos.

 

Informações sobre o autor:

  Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas, nasceu a 19 de Janeiro de 1923 em Póvoa de Atalaia, uma pequena aldeia da Beira Baixa. Filho de camponeses, a sua infância é passada com a mãe, que é a figura dominante de toda a sua vida e da sua poesia. Devido à separação dos pais, o pai pouco esteve presente na sua vida.

  Concluiu a instrução primária já em Lisboa, para onde se mudou em 1932. Prosseguiu os estudos e, em 1935, despertou-lhe o interesse pela leitura. Passava horas a ler em bibliotecas públicas e começou a escrever poemas. Escreveu os seus primeiros poemas em 1936, o primeiro dos quais intitulado Narciso, que viria a publicar mais tarde.

  Em 1938, enviou uma carta a António Botto, com alguns dos seus poemas. Este manifestou interesse em conhecê-lo.  Em 1939 publicou o seu primeiro poema, "Narciso" e, pouco tempo, depois passou a assinar com outro nome: nascia o poeta Eugénio de Andrade.

  Em 1942, Eugénio lançou o seu primeiro livro de poesia: "Adolescente". Em 1943, o poeta mudou-se novamente acompanhado pela sua mãe para Coimbra, onde ficou até ao final do ano de 1946, altura em que se fixou novamente em Lisboa. Entretanto, em 1944, cumpriu o Serviço Militar e, após a recruta, foi colocado nos Serviços de Saúde de Lisboa mas, visto que morava em Coimbra, tratou rapidamente de transitar para lá. Fizeram-se, nesse ano ainda, as primeiras traduções de poemas seus para francês e, em 1945, a Livraria Francesa publicou o seu livro "Pureza". No entanto, foi com "As Mãos e os Frutos", em 1948, que Eugénio de Andrade alcançou o sucesso. A partir dessa data, iniciou uma carreira especialmente rica em poesia, mas também com produções nos domínios da prosa, da tradução e da antologia. Eugénio de Andrade ergueu-se ao primeiro plano da poesia portuguesa.

  Entretanto, em 1947, ingressou nos quadros do Ministério da Saúde como inspector-administrativo dos Serviços Médico-Sociais, onde permaneceu até 1983. Em 1950 foi transferido para o Porto, cidade onde viveu até morrer.

  A 14 de Março de 1956 morreu a sua mãe e morreu uma parte do poeta: "A minha ligação à infância é, sobretudo, uma ligação à minha mãe e à minha terra, porque, no fundo, vivemos um para o outro". Em 1977 iniciou-se a publicação da "Obra de Eugénio de Andrade" pela Editora "Limiar". Nasceu, em 1991, a Fundação Eugénio de Andrade, que passou a reeditar toda a obra do poeta, sendo o último volume o número 26, o livro de poesia "O Sal da Língua" (1995).

  Publicou mais de duas dezenas de livros de poesia. Obras em prosa, antologias, álbuns, livros para crianças e traduções para português de grandes poetas estrangeiros (Lorca, Safo, Char, Reverdy, Ritsos, Borges, etc...) completam até ao presente a sua bibliografia, para além de muitos títulos traduzidos e publicados em 20 línguas e em 20 países: na Alemanha, Itália, Venezuela, China, Espanha, no México, Luxemburgo, em França, nos Estados Unidos da América,... Eugénio de Andrade é, realmente - a par de Pessoa - o poeta português mais divulgado no mundo. A sua obra tem sido, por outro lado, objecto de estudo e reflexão por parte de escritores e críticos literários quer estrangeiros, quer portugueses.

  A partir de 1994, passou a viver numa casa, apoiada pela Câmara do Porto, onde funcionava a Fundação com o seu nome. Foi nesta casa que faleceu em 13 e Junho de 2005, após uma doença neurológica prolongada.

 

Ana Afonso - 10ºB        04/04/2011

publicado por buelivros às 11:32

Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos
2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO