Este blogue pretende dar a conhecer “leituras” realizadas por alunos do AEMD. Está associado ao projeto "Cartão de Fidelidade" da Biblioteca Escolar que atribui pontos por cada opinião sobre livros lidos.

15
Out 18

transferir.jpg 

Título: No meu peito não cabem pássaros

Autor(a): Nuno Camarneiro

Editora: D. Quixote

Ano de Edição: 2011               

Nº de páginas: 190

Sinopse:

Este livro narra a história de três autores distintos, cujas vidas não se confundem, mas que têm em comum o sentimento de inconformidade com o mundo que os rodeia e ainda mais consigo mesmo: Karl Kafka, um imigrante inadaptado na enorme e impessoal cidade de Nova Iorque, na qual vive de forma solitária e conflituosa; Jorge Borges, apresentado ainda como uma criança desajustada em Buenos Aires e posteriormente como um adulto dececionado que não consegue encontrar no mundo onde vive lugar para a sua imaginação e para as histórias que lhe povoam a mente; e, por fim, Fernando Pessoa, uma criança doente na casa da tia em Lisboa e um adulto solitário e inconformado com a vida ainda que nela encontre a sua vocação de poeta. Três homens, três vidas e três percursos que nunca se cruzam nem se misturam.

Apreciação Crítica:

A contracapa do livro informa-nos das três personagens que protagonizam a história, que são nada mais nada menos que três mentes brilhantes distintas que marcaram a literatura internacional: Karl Kafka, Jorge Borges e Fernando Pessoa. Apesar das diferenças geográficas e de idade, as personagens têm em comum a passagem de dois cometas pela terra, no ano de 1910, facto que suscita um enorme pânico a nível mundial e faz com que muitas pessoas se suicidem com medo de um provável fim do mundo: “Em todo o mundo, pessoas enlouqueceram, suicidaram-se, crucificaram-se, ou simplesmente aguardaram caladas e vencidas aquilo que acreditaram ser o fim do mundo”. Assim são as primeiras páginas do livro, com versículos de diversos jornais que relatam essa mesma notícia.

As três narrativas que se seguem intercalam-se em pequenos capítulos nos quais vamos acompanhando vários momentos da vida das personagens, o seu crescimento e amadurecimento enquanto pessoas e escritores. Sem nunca contrariar as biografais oficiais, Nuno Camarneiro teve como objetivo relatar os dias dos protagonistas e recriar outros com base naquilo que é conhecido sobre as suas vidas.

O principal destaque do livro é, sem dúvida, a linguagem poética usada pelo autor, bem assente no título da obra. A escrita, para além de extremamente bela e acessível, completa-se com um vocabulário variado, o que torna este livro uma obra para se ler sem pressa de chegar ao fim.

Apesar de ter gostado bastante da ideia original do autor e do seu emprego das palavras, a narrativa em si deixa muito a desejar, principalmente pelo facto de quase não existirem menções à passagem dos cometas e das suas consequências, que ficaram tão vincadas nas primeiras páginas, o que pensei ser o tema principal do livro.

Um pequeno romance extremamente bem escrito, ainda que com necessidade de um pouco de intriga, para ler calmamente e sobretudo para refletir.

Citação preferida:

“Um retrato traz-nos um pedaço de mundo visto pelos olhos da realidade. É assim que eu sou, assim me vêem. Que máquina mostrará um dia o outro lado da gente? Quem há-de retratar os bastidores desarrumados das nossas poses serenas?” (pág. 113).

Data de leitura: outubro 2018

publicado por buelivros às 00:30

Outubro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos
2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO